A Teologia da Libertação e o Novo Pluralismo Religioso

Alan Myatt

Resumo


A partir da perspectiva da Teologia da Libertação, o projeta “Pelos muitos Caminhos de Deus”, Comissão Teológica Latino-Americana da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo, desenvolve uma teologia de pluralismo cujo alvo é valorizar todas as religiões igualmente como caminhos de salvação/libertação.  Na base da teologia de pluralismo de John Hick, o projeto defende o conceito que as religiões são interpretações humanas, das várias culturas, de uma única realidade divina e inefável.  O projeto rejeita o absolutismo religioso, ou seja, exclusivismo, que nega a verdade das outras fés ao dizer que sua própria verdade é a única. O pluralismo liberta, mas o exclusivismo é fonte de opressão.  Através um analise dos argumentos de Hick e do projeto, o artigo demonstra que, pelo contrário, o pluralismo também é exclusivista, pois sua afirmação da verdade das religiões exige que elas abandonem suas doutrinas como falsas, e sejam reinterpretadas segundo as doutrinas do pluralismo.  Assim, a Teologia da Libertação pluralista comitê os mesmos erros que ela alega do exclusivismo.

Palavras chave: Teologia da libertação.Pluralismo. John Hick. Religiões mundiais.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Revista Batista Pioneira está licenciada com uma Licença Creative Commons – Atribuição – Não Comercial – Sem Derivações – 4.0 Internacional.

A revista está catalogada nos seguintes indexadores: